Imagem capa - Travessia por CAROLINE ROSA
Nascimento

Travessia

É sempre muito bom ser escolhida para registrar os belos momentos da vida de uma família, mas ver nascer uma família tem um gosto bastante especial. 


Todas as dúvidas e expectativas da espera, planos, projetos... enfim... a verdade é que temos um objetivo final, o grande momento, o ápice acontece com o nascimento da nossa cria. Como vamos escolher trilhar o caminho dessa espera? Isso depende de cada casal, cada papai, cada mamãe. E as decisões muito têm a ver com as nossas vivências, nossa história, como fomos criados, a bagagem sentimental que carregamos no peito.


Quando conheci a Ju pessoalmente, (a voz é conhecida por todos nas ondas do rádio), descobrimos em comum dois corações intensos e sinceros e a sensação de que nos conhecíamos há mais tempo se fez presente. 


Em meio a uma caneca de chá e um bolo de chocolate, conversamos sobre nossas histórias e toda a expectativa que ela e o André estavam sentindo naquele momento, ela estava no 4° mês de gestação e já sabia que quem estava ali era a sua Amora . A Ju daquele dia era tão mais menina, tão menos segura do que a Ju que eu acompanhei no último domingo. A gestação foi um processo de auto-conhecimento e preparação que culminaram em uma transformação linda!


Domingo dia 26/11 -  Recebi uma chamado no celular às 07:47h, era a Ju avisando que por conta das dores e contrações desde às 03:40h, estava indo ao hospital para uma avaliação. Foi avaliada pelo plantão, porém liberada, pois não havia dilatação. O processo estava bem no início.


Como já havia saído de casa para ir até o hospital, preferi ir até a casa  deles para dar um abraço carinhoso, e fazer alguns registros. 



      Ju com sua Doula Aline Melo, seu marido André e sua gata Sushi, início do trabalho de parto.



O ambiente acolhedor, a harmonia de vibrações, toda a energia que uma casa rica em amor possui, foi perfeito para que a Ju fosse suportando as suas dores, crescendo na sua força, superando suas lembranças de medo. A Aline desde o início mostrou todo o seu dom como doula, massagens, óleos, florais e um coração enorme de mãe para encorajar e ajudar a empoderar o outro coração de mãe que também estava por nascer.






As contrações se intensificavam a cada pedaço de tempo, e um banho quente, com uma música suave serviu de alívio para a Ju. Em um desses momentos o coração dela chamou por seu pai, o Sr. Luiz, que prontamente veio até a casa deles. Então eu vi um pai ser mãe (desde a partida da Dona Márcia, ele faz os dois papéis). Ele veio com seu sorriso tranquilo e olhar doce, olhou nos olhos da sua menina e a acalmou. A Ju ganhou mais fôlego e incentivo para seguir em frente.







  


O trabalho de parto seguiu em frente, contrações ainda não tão próximas, mas vinham compassadas e ficando mais intensas a cada hora. Músicas lindas, mãe vocalizando para ajudar na abertura do colo uterino, dor.




O Hashi e o Temaki acompanhavam de longe, com os olhos atentos.




Contrações ganharam ritmo, houve a perda do tampão mucoso, era chegada a hora de ir para o hospital. Contração no caminho, doula atenta e pai super tranquilo até então.




Hora de ir para o hospital.




A Ju chegou com 8cm de dilatação ao Centro Hospitalar Unimed, dessa forma foi internada e continuou a sua travessia para o encontro da sua Amora.




     Ju com sua doula Aline Melo e sua obstetra Dra. Helga Pavan.


Após a analgesia de parto, a Ju conseguiu recuperar energia para o momento em que ela iria precisar da sua maior força. André sempre perto.



Exercícios na bola de Pilates para a descida da Amora.






Então toda a dor foi transformada em força e a Ju foi uma leoa forte. Suportou, aprendeu a fazer a força correta, sincronizou sua respiração com suas contrações... 




    Dra. Helga Pavan e Ju.






Todo o apoio, incentivo e  exercícios para que a Amora nascesse de parto normal foram feitos. Mas após 3 horas de colo uterino em dilatação completa, a Amora não girou da maneira como precisaria para nascer de parto normal. Por segurança dela e da Ju a decisão (conjunta entre médica e paciente) foi pela cesariana. Respeitando a premissa de Parto Adequado.


E foi lindo... ela chegou às 22:10h e em seguida chorou alto, para avisar ao papai e a mamãe que ela estava bem.

















E depois de mais de uma hora no contato pele a pele com sua mãe, na sala de recuperação, e dos primeiros cuidados de higiene, foi chegada a hora da Amora conhecer o vovô Luiz, a vovó Rose e a tia mais babona do mundo, a Mariana!








Além do brilhante trabalho da Dra. Helga Pavan e da doula Aline Melo,  foi lindo ver um trabalho harmonioso, uma equipe de enfermagem sensacional, que iniciou com a equipe da enfermeira Adriane Rudnick na acolhida e posteriormente o atendimento da equipe liderada pela enfermeira Camila Nunes Vieira. Especialmente as queridas Sandra, Marli e Áurea.


Também não há como deixar de mencionar o brilhante trabalho das médicas anestesiologistas Dra. Luiza Rocha Knoll Palma e Dra. Bruna Zanandrea, pediatra Dr. Guilherme Colin e demais profissionais do Centro Hospitalar Unimed.


Voltei pra casa quase 02:30h já da madrugada da segunda-feira, fisicamente cansada mas emocionalmente alimentada de muito, mas muito amor!


André e Ju: Gratidão por ter sido escolhida para viver esse momento junto de vocês!


    Gratidão!